Tecnologia

Preparados para a agricultura do futuro

miúdo tempo de leitura
Tags: ZeroEmissões, Conectividade, Mobilidadeelétrica, Eficiência
A crescente população mundial requer uma agricultura mais produtiva e sustentável. O agronegócio inteligente é a chave para os desafios do setor agrícola.
Kathrin Wildemann, Novembro 14, 2019
author_image
Kathrin Wildemann pertence ao time permanente de redação da ZF desde 2016. Em matérias online e offline, ela prefere cobrir temas relacionados à mobilidade e outros assuntos sobre sustentabilidade.
A população mundial aumenta em duas pessoas a cada segundo. Em 2050, cerca de 9,6 bilhões de seres humanos habitarão nosso planeta – praticamente o dobro que em 1987. Em comparação a 2013, a produção agrícola precisa aumentar quase 50% para cobrir a demanda de alimentos, biocombustíveis e outros produtos do campo. Esses números são da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). No entanto, um fator essencial não está crescendo com a população: há alguns anos, a área de terra cultivável tem permanecido constante em torno de 37% do total global. Na realidade, esse volume até diminuiu desde o final dos anos 1990.

Seca, calor e condições extremas: as mudanças climáticas impactam a produção agrícola

Seca, calor e condições extremas: as mudanças climáticas impactam a produção agrícola
Há mais uma tendência mundial que está agravando o desafio enfrentado pelo agronegócio, já que esse é o setor econômico mais afetado pelas consequências das mudanças climáticas. Mesmo que temperaturas mais elevadas e um maior volume de chuva em zonas mais temperadas tenham um efeito positivo de imediato, o calor, a seca e as enchentes provocarão a queda da safra ao redor do mundo em longo prazo. Particularmente os países de baixa renda localizados em regiões mais quentes, em que os produtores rurais muitas vezes não têm meios para adaptar a lavoura às novas condições, já são os mais atingidos.
Por isso, os agricultores precisam de métodos para aumentar expressivamente a produtividade para alimentar os 9,6 bilhões de indivíduos em 2050 – e, ao mesmo tempo, serem sustentáveis e eficientes em termos de recursos naturais. A chave para solucionar a questão está nas tendências tecnológicas que já transformaram fundamentalmente muitas outras áreas do nosso cotidiano: a digitalização e a integração de diversos equipamentos, informações e sistemas na Internet das Coisas.
A produção agrícola precisa aumentar cerca de
50 por cento
até 2050 para poder atender à demanda da crescente população mundial.
O eTRAC facilita o trabalho em terreno desnivelado e descompactado. Além disso, a potência extra ajuda um trator equipado com um motor menor a puxar implementos mais pesados.

A agricultura inteligente leva a digitalização e a integração ao campo

A agricultura inteligente leva a digitalização e a integração ao campo
Nas fazendas do futuro, sensores instalados na lavoura farão o monitoramento da umidade e de outras propriedades do solo, enquanto drones sobrevoarão as plantas para controlar seu estado. Esses dados possibilitarão determinar com precisão a demanda e o uso seletivo de irrigação, fertilizantes e agroquímicos. As sementes serão lançadas por um trator equipado com sistemas de assistência inteligentes que, com a ajuda de mapas de alta resolução, fará o aproveitamento perfeito da terra cultivável disponível e seguirá com precisão o trajeto delineado previamente. Enquanto isso, o agricultor pode se concentrar em outras tarefas e monitorar a semeadura.
No geral, além de reduzir os custos das matérias-primas, esse tipo de sistema integrado protege o meio ambiente. O Instituto de Pesquisas Agrícolas do Estado da Baviera, na Alemanha, estima que uma fazenda digitalizada possa diminuir o uso de agrotóxicos em 10% e o consumo de combustível em 20%.
Em um arado, o acionamento elétrico eTRAC instalado perto das rodas fornece tração adicional totalmente elétrica.

Com seu portfólio, a ZF também segue a abordagem de “agricultura inteligente”. “Eficiente, segura e integrada – essa é a nossa visão da lavoura do futuro”, afirma Dr. Karl Grad, responsável pela linha de sistemas para máquinas agrícolas da ZF. “Com os nossos produtos, queremos ajudar os agricultores a preparar suas propriedades rurais para os desafios de amanhã”, completa ele. Com sua solução de conectividade ZFlink, a empresa oferece a possibilidade de fazer o monitoramento constante das condições dos implementos agrícolas por meio de um aplicativo e programar a manutenção dos veículos com base nos dados do driveline, o que reduz o tempo de inoperação, danos subsequentes e custos. Baseados em radares, programas de assistência para tratores que detectam pedestres e ciclistas garantem mais segurança na fazenda e no caminho até a plantação.
A solução de conectividade ZFlink possibilita fazer o monitoramento constante das condições dos implementos agrícolas por meio de um aplicativo e programar a manutenção dos veículos com base nos dados do driveline.

Mais eficiência com menos emissões

Mais eficiência com menos emissões
Com o “Vision Zero”, a meta de zerar os acidentes e poluentes no trânsito, a ZF também foca uma outra questão: além de ser fortemente impactada pelas mudanças climáticas, a agricultura é uma das maiores fontes dos gases de efeito estufa, respondendo por cerca de 21% das emissões globais. Grande parte é composta por metano e óxido nitroso expelido na pecuária. Contudo, as toxinas do escapamento dos veículos agrícolas também têm efeito nocivo. Acionamentos auxiliares elétricos para tratores e implementos proporcionam um potencial considerável de economia de combustível e dióxido de carbono. Seguindo o mote de eletrificar tudo, a ZF desenvolveu soluções para as mais diferentes aplicações.
O AgriApp da ZF mostra as informações de forma clara.

Um exemplo é o acionamento elétrico eTRAC instalado perto das rodas: integrado em um arado, ele fornece tração adicional totalmente elétrica e facilita o trabalho em terreno desnivelado e descompactado. Além disso, a potência extra ajuda um trator equipado com um motor menor a puxar implementos mais pesados. Além de preservar o clima, a tecnologia protege o solo. Afinal, a compactação da terra arável é um dos maiores problemas enfrentados pelo agronegócio.